Trends:

Lisboa

Quinta de Santana Riesling Branco 2018

75cl

17,35€ (Preços aproximados)

Ficha técnica

Tipo De Vinho: Vinho branco
Safra: 2018 Outras safras
Denominação:Lisboa (Portugal)
Adega: Quinta de Sant'Ana
Volume: 75cl
Uvas: Riesling
Alérgenos: Contém Sulfites
Teor Alcoólico : 13%
Quinta de Sant'Ana oferece-nos este Quinta de Santana Riesling Branco 2018 , um vinhos branco elaborado em DO Lisboa com cachos seleccionados deriesling de 2018, teor alcoólico: 13º.

Elaboração de Quinta de Santana Riesling Branco 2018

Quinta de Santana Riesling Branco 2018 (Riesling)

NOTAS DE PROVA:

  • Visão: pálido citrus amarelo, verde toca.
  • Olfato: aromas minerais e frutas cítricas.
  • Paladar: fresco e mineral, com textura fina. Final longo e persistente com acidez.

DESIGNAÇÃO DE ORIGEM: Lisboa.

UVAS: Riesling.

ENVELHECIMENTO: Estágio de 4 meses em tanques em garrafa.

PREPARAÇÃO: uvas seleccionado e colhido alcance da adega em caixas de 20 kg. Prensagem suave de cachos inteiros por prensa pneumática para extrair o melhor vinho, que é deixada em repouso durante um dia de 7ºC para decantar o melhor suco. banheira fermentado aço a baixas temperaturas (12 - 14ºC).

VINHO EMPARELHAMENTO: boa com entradas leves, peixe grelhado, frutos do mar, saladas exóticas ou, ao contrário, com a estrutura de vinhos, pratos como leitão assado.

TEMPERATURA: 10-12 ° C

ÁLCOOL: 13,5%

Ver mais

Opiniões de Quinta de Santana Riesling Branco 2018

Este produto ainda não tem comentários. Queres ser o primeiro?

Opiniões de outros vintages de Quinta de Santana Riesling Branco 2018201720152014

4/5

A Quinta do Gradil, considerada uma das mais antigas, senão a mais antiga, herdade do Concelho do Cadaval, tem marcas históricas seculares e constitui um marco arquitetónico significativo. As referências documentais encontradas sobre a Quinta do Gradil remontam ao final do século XV, num documento Régio. Em 14 de Fevereiro de 1492, data do documento, D. Martinho de Noronha recebeu de D. João II a carta de doação da jurisdição e rendas do Concelho do Cadaval e da Quinta do Gradil. Por ocasião da ascensão de D. Manuel I ao trono português, e da sua atuação em favor dos membros da Casa de Bragança, a Quinta do Gradil torna a ser referenciada na confirmação de doação concedida por D. Manuel I a D. Álvaro de Bragança, irmão mais novo do 3º Duque de Bragança, D. Fernando II, que acusado de traição foi mandado degolar por D. João II, em 1483. A Quinta terá sido adquirida pela família do Marquês de Pombal, por ocasião do movimento que, a partir de 1760, levou à ocupação de terras municipais, admitindo-se que já na altura contasse com o cultivo de vinha, facto que terá sido decisivo para o estadista responsável pela criação da Companhia das Vinhas do Alto Douro. Manteve-se na pertença da família até meados do século XX, quando foi comprada por Sampaio de Oliveira. Foi já nos finais dos anos 90 que o atual proprietário, Luís Vieira, adquiriu a herdade. Da história, ficou um palácio Pombalino, uma Capela, um Moinho, um celeiro, um aqueduto em grés, uma mãe de água, um tanque de água e a imponente adega.
Ver mais

4/5

16,5 pts Revista de Vinhos - cítrico Luz amarela com toques verdes. Minerais e aromas cítricos. Paladar é fresco e mineral, com textura fina. Final longo e persistente com acidez.
Ver mais

4/5

Cítrico luz amarela com toques verdes. Minerais e cítricas aromas. Paladar é fresco e mineral, com textura fina. Final longo e persistente com acidez crocante.
Ver mais